Reviver o Amor pelo Sagrado Profeta Muhammad (que a paz esteja com ele)

0
4222

Nesta narrativa com o tema “Reviver o Amor pelo Sagrado Profeta Muhammad ” pretendemos que este mesmo tema seja “A Solução para a Condição Muçulmana Contemporânea”.

Rabi-ul-Awwal – O Mês do Nascimento do Sagrado Profeta Muhammad SAW

Rabi-ul-Awwal, o terceiro mês do calendário Islâmico lunar, é um mês repleto de bênçãos de Allah, O Majestoso e Honorável. Os Estudiosos muçulmanos acreditam que Rabi-ul-Awwal é um mês da máxima importância e que tem um estatuto especial no Islão, até mais que o abençoado mês de Ramadhan. O significado do sagrado mês de Ramadhan deve-se à revelação do Sagrado Alcorão, no qual Allah, o Majestoso diz:

“O mês de Ramadhan é aquele no qual o Alcorão foi enviado”

Alcorão, Capítulo Al-Baqarah, 2:185

Por outro lado, no mês de Rabi-ul-Awwal, o Sagrado Profeta , o verdadeiro intérprete do Alcorão Sagrado, veio a este mundo. Então, o verdadeiro Eid (celebração) para os crentes está em Rabi-ul-Awwal porque Allah enviou o Seu Amado Muhammad como uma prenda para a Humanidade neste preciso mês. Se Ele não tivesse nascido, as bênçãos de Allah não existiriam, tais como Ramadhan, o Iman (fé), Tauheed (Unicidade de Deus), a Missão Profética e por aí adiante. Se Ele não tivesse nascido, nada teria sido criado.

A noite do Milad (nascimento) do Sagrado Profeta é mais virtuosa que a noite de Laylat-ul-Qadr (A Sagrada Noite do Poder no Ramadhan)

Imam Qastallani (d.923 H, que a misericórdia Allah esteja sobre ele), diz no seu “Mawahib-ul-Ladunniyya” que a noite do nascimento do Sagrado Profeta é superior a Laylat-ul-Qadr pelas três seguintes razões:

1.       A noite do Milad é quando o Sagrado Profeta tornou-se conhecido por nós e foi através Dele que recebemos a Noite de Laylat-ul-Qadr. Não há que contestar este facto;

2.       Laylat-ul-Qadr é considerada de enorme importância pois os anjos desceram à terra nesta noite ao passo que na noite de Milad, o próprio Profeta veio à terra;

3.       Laylat-ul-Qadr é uma noite especial para os Muçulmanos, pois é nesta noite que quando é pedido o perdão, Allah concede esse pedido; ao passo que a noite de Milad é para toda a humanidade, porque Ele é a Misericórdia para todos os mundos [Alcorão, Capítulo Al-Ambiya 21:107].

A filosofia do Amor para com o Sagrado Profeta

O Sagrado Alcorão afirma:

“Na verdade chegou-vos um Mensageiro da vossa raça, que se apiada do vosso infortúnio, anseia por proteger-vos, e é compassivo e misericordioso para com os fiéis”

Alcorão, Capítulo Al-Taubah, 9:128

Comentando este versículo, Hazrat Abdullah ibn Abbas (que Allah esteja satisfeito com ele e com o seu pai) escreve na sua exegese do Sagrado Alcorão, Tasfeer ibn-e-Abbas, que Quando Hazrat Moosa (que a Paz esteja sobre ele) foi homenageado por Allah, O Majestoso, no Monte Sinai, ele disse:

“Tu ofereceste-me uma homenagem como nunca fora atribuída antes a ninguém”. Allah, o Majestoso, respondeu: “Sê grato pelo que te foi dado e mantém o Tauheed e o amor pelo Profeta Muhammad SAW até aos teus últimos momentos de vida”. Hazrat Moosa (que a Paz esteja sobre ele) perguntou então a Allah: “O amor ao Profeta Muhammad é necessário ao teu Tauheed?”, pelo que Allah disse que se Muhammad SAW e o seu Ummah não fossem criados, Ele não teria criado nada – céu, inferno, sol, lua, noite, dia, anjos, Profetas, e por aí adiante e não teria também criado Hazrat Moosa.

O seguinte Hadeeth Qudsi (um dito do Sagrado Profeta que contém exactamente as mesmas palavras de Allah, o Majestoso, mas que não pertence ao Alcorão) corrobora a mesma realidade:

“Se não fosse por Ti, Eu não teria revelado a minha Liderança.”

Então, o zaat (SER) do Sagrado Profeta é a maior bênção de Allah, o Majestoso,  para o resto da Criação e que Ele mesmo orgulha-se de mencionar, tal como no versículo seguinte do Sagrado Alcorão:

“Allah concedeu um enorme favor aos Muçulmanos, ao enviar-lhes um Sagrado Mensageiro entre eles, que lhes recita os Seus versículos e os purifica, e ensina-lhes o Livro e a Prudência, embora antes estivessem em evidente erro.”

Alcorão, Capítulo Al-Imran, 3:164

Allah, O Majestoso agraciou a Sua criação com incontáveis dádivas e favores, como por exemplo a respiração, o ar, a vista, os membros, os pais, a beleza e por aí adiante, mas Ele nunca os enumera explicitamente. O Sagrado Alcorão diz:

“E se vocês enumerarem os favores de Allah, nunca serão capazes de contá-los; na verdade Deus é Indulgente, Misericordiosíssimo.”

Alcorão, Capítulo Al-Nahl, 16:18

Mas quando é mencionada a Personalidade do Sagrado Profeta , Allah, O Majestoso refere-se especificamente ao Seu Mensageiro,SAW, como já analisado no versículo anterior (Al-Imran).

Esta abordagem revela claramente que Allah, o Majestoso possui uma enorme estima e amor pela Sua Melhor criação .

O Tafseer ibn-e-Abbas (interpretação do Alcorão feita por Ibn-e-eAbbas) continua com  a análise gramatical do versículo 9:128 explicando que o tanween (nunação) da palavra Rasool (Mensageiro) representa a grandeza do Sagrado Profeta SAW. O autor também escreve que existem 2 formas de recitar a palavra depois de laqad:

1.       A primeira forma é Anfusikum que significa “entre vós”

2.       A segunda é Anfasikum que significa “de um grupo especial de entre vós” (vem do árabe Afzal; da nobre clã de Bani Hashim da nobre tribo de Quraysh)

Se Ele não tivesse vindo entre nós, então não seríamos capazes de obter benefícios espirituais. Tudo o que se relaciona com o Sagrado Profeta é de facto da mais elevada virtude e importância – o mês no qual Ele SAW veio, o Livro que Ele trouxe, o Deen (religião) que Ele ensinou, a cidade na qual Ele  viveu, o tempo que Ele esteve vivo, os Seus companheiros, o Seu Ummah (comunidade), as Suas Leis e por aí adiante. É mencionado no Sagrado Alcorão que as Suas palavras são as palavras de Allah, o Seu acto de falar é Allah a falar, a sua visão é a visão de Allah. A sua deslocação é a deslocação de Allah, o Seu bai’ah (contrato espiritual) é o bai’ah de Allah.

O Mussafir (exegeta) continua a escrever que o Sagrado Profeta estima bastante o Seu Ummah. Qualquer dor sentida por um dos seus seguidores (Seu Ummah) também se reflecte N’Ele . É por isso que Imam Qastallani escreve no seu Mawahib-ul-Ladunniyya que quando o Profeta SAW nasceu, tendo conhecimento dos pecados do seu Ummah e de acordo com a Sua mãe Hazrat Amina, a sua primeira frase foi: “Rabbi Habli Ummati” – Ó meu Senhor! Perdoa a minha Comunidade!

A Sua grandiosidade é mencionada no versículo 9:128 por Allah, o Majestoso como Raoof-ur-Raheem, espelhando os atributos do próprio Allah, o Majestoso. Como Allah afirma no Seu Sagrado Alcorão:

“…Na verdade Allah é o Mais Compassivo, Mais Misericordioso perante a humanidade”.

Alcorão, Capítulo Al-Baqarah, 2:143

As mesmas características foram delegadas ao Sagrado Profeta . Similarmente, comentadas no seguinte versículo:

“Somente ele é o Primeiro e Somente Ele é o Último, e Somente Ele é Evidente e Somente Ele é o Oculto; e é Ele que conhece todas as coisas”

Alcorão, Capítulo Al-Hadeed, 57:3

Shaykh Abdul Haqq Muhaddith Dehlawi (falecido a 1052 de Hégira, Que a misericórdia de Allah esteja sobre ele) refere no seu Livro, o Madarij-un-Nabuwwah que este versículo é Hamd-e-Khuda (Elogio ou Enaltecimento da Personalidade de Allah) e simultâneamente Naat-e-Mustafa (Elogio ou Enaltecimento da Personalidade do Profeta ), sendo que o Sagrado Profeta SAW é a primeira criação e o último Profeta. Encontra-se também escrito no Hadeeth, Kasaisul Kubra (Vol 1 pag 56) que Hazrat Anas (que Allah esteja satisfeito com ele), um dos companheiros do Profeta SAW narra que na Noite de Mehraj (Ascensão), algumas pessoas conheceram o Sagrado Profeta SAW e apresentaram Salaam (saudações / cumprimentos de paz) a Ele da seguinte forma:

Assalaaamu Alayka yaa Awwalu, Assalaamu Alayka yaa Akhiru, Assalaamu Alayka yaa Hashiru. Jibreel disse: “Ó Profeta! Estas pessoas que lhe apresentaram o Salaam foram Hazrat Ibrahim, Hazrat Moosa e Hazrat Isa (que a paz esteja sobre todos eles).” Nesse sentido, os Profetas saudaram o Sagrado Profeta com estes atributos.

Retirado de um Hadeeth, bastante conhecido entre os estudiosos, relacionado com o Professor de Imam Bukhari, Syed Abdur Razzaq (faleceu a 211 H) no seu Musnad escreve o seguinte:

É relatado que Jabir Ibn Abd Allah disse ao Profeta : “Ó Mensageiro de Allah, que o meu pai e a minha mãe se sacrifiquem por si; diga-me a primeira coisa que Allah criou antes de tudo”. Ele SAW disse:

“Ó Jabir, a primeira coisa que Allah criou foi a luz do teu Profeta através da Sua luz, e essa luz permanece por intermédio do Seu Poder porquanto Ele desejar, e não havia nessa altura, uma Tábua ou uma Caneta nem um Paraíso ou Inferno ou um anjo, nem um céu nem uma terra. E quando Allah desejou criar a criação, ele dividiu essa Luz em quatro partes e da primeira parte ele fez uma Caneta, da segunda uma Tábua, da terceira um Trono, [e da quarta tudo o resto]”

Citado por “Luz da Lua Cheia” por GF Haddad

O hadith acima é citado pelos seguintes estudiosos islâmicos:

1.       Imam Bayhaqi (falecido em 458 de Hégira) no seu Dalai-un-Nubuwwa;

2.       Imam Wastalllani (falecido em 923 de Hégira) no seu Mawahib-ul-Laduniyya

3.       Imam Ibn Hajar Makki no seu Afzal-ul-Qura;

4.       Imam Ahmad ibn Hajar Haytami (falecido em 974 de Hégira) no seu Fatawa Hadithiyya;

5.       Shaykh Abdul Haq Muhaddith Dehlawi (falecido a 1052 de Hégira) no seu Madarij-un-Nubuwwa.

Ainda noutro conhecido Hadith relatado por Shaykh Abdul Haq muhaddith Dehlawi no seu Madarij-un-Nubuwwa e por Al-lama Ali Muttaqi Hindi no seu Kanz-ul-Ummal tal como se segue:

“Eu era Profeta quando Adam estava entre a alma e o corpo.”

Imam Fakhruddin Razi (que a misericórdia de Allah esteja sobre ele) afirma no seu conhecido Tafseer Kabeer que Hazrat Adam (que a paz esteja sobre ele) estava em prostração porque a luz de Muhammad SAW estava na sua testa.

A Sua vinda ao mundo

Noventa e dois dias antes do Sagrado Profeta ter chegado à terra, Abraha, o governador Iémen do Rei Najashi da Etiópia planeava atacar a Sagrada Kaaba. Ele juntou o seu exército de homens e elefantes e seguiu em direcção a Meca; todavia, os elefantes resistiram em ir para além de Wadi Mehsar, uma localização a 30 milhas de Mecca. Contudo, o exército continuou a seguir em frente e quando os Habitantes de Meca viram os elefantes, ficaram com medo e esconderam-se. Ainda assim, Hazrat Abdul Muttalib, o Sagrado Avô do Profeta SAW e doze outros familiares ficaram em Meca para lutar contra Abraha. Os soldados de Abraha roubaram alguns dos camelos de Abdul Muttalib. O avô do Sagrado Profeta montou o seu cavalo e seguiu caminho, que ao chegar, viu Abraha sair da sua tenda para o saudar. O avô do Profeta SAW  disse: “Os teus soldados tiraram os meus camelos”. Pelo que Abraha respondeu dizendo que Abdul Muttalid devia preocupar-se com a Kabba e não com camelos insignificantes, pois ele tinha vindo para eliminar a Kaaba. A isto, Abdul Muttalib respondeu que o Dono da Kaaba é responsavável por ela e que ele tinha somente vindo buscar os camelos pelos quais ele era responsável. Após isto, Abraha silenciou-se e devolveu os camelos a Abdul Muttalib.

Entretanto quando Hazrat Abdul Mutalib regressou a Meca com os camelos, dirigiu-se à Kaaba Shareef com Hazrat Amina para rezar, implorando a Allah:

“Ó Rei da Kaaba, Ó Criador do Universo, Tu és o Ouvinte e o que Tudo Vê, Tu és o Sabedor de Tudo! Tu sabes que um inimigo veio com a intenção de destruir a tua pura Casa. Meu Senhor! Tu deste-me alvíssaras de que brilhará uma luz na Tua Casa. Meu senhor! Se essa Luz está no ventre de Amina, então nós pedimos por seu intermédio (waseela)! Ó Rei! Nós não temos medo de ninguém excepto de Ti. Ó Rei! Salva a santidade da Tua casa do inimigo e honra a família de Ismail”.

Ao nascer-do-sol, Abraha começou a fazer uma preparação para atacar novamente a Sagrada Kaaba e a oração que foi feita pelo Waseela do Profeta foi aceite imediatamente. Abdul Muttalib e a sua família foram para o topo da montanha na tentativa de observarem a resposta de Allah, o Majestoso. À medida que os elefantes se aproximavam da Kaabaa, eles entraram em prostração assim que a viram. O cornaca bateu nos elefantes tentando que eles continuassem a caminhar em direcção a Kaaba, mas eles não acataram.

O elefante de Abraha nem sequer se levantava. Isto fragilizou Abraha e consequentemente ordenou ao seu exército que continuasse a marcha a pé. No momento em que Abraha deu este comando um bando de andorinhas (Abadeel) veio da direcção de jeddah. As aves vinham com 3 pedras em cada um dos seus bicos e 1 pedra nas suas patas. Ao chegarem perto do exército de Abraha, começaram a largar as pedras contra os soldados e no impacto, cada pedra rasgou os seus corpos e saíram pelos seus pés. Cada pedra tinha o mesmo nome do soldado que matou. Allah, o Majestoso, descreve este fatídico evento no Seu Sagrado Alcorão:

“(Ó Querido Profeta SAW), Não viste como o Teu Senhor tratou as Pessoas dos Elefantes?”

Alcorão, Capítulo Al-Feel, 105:1

Numa análise gramática, a leitura do versículo é feita com referência ao Sagrado Profeta porque o verbo “tara” é singular e o pronome “ka” em “rabbuka” é também singular, indicando que Allah, o Majestoso está a referir-se ao Seu Amado SAW.

Mesmo quando Ele estava no ventre da Sua mãe, o Querido Profeta terá visto como Allah, o Majestoso, fez justiça com Abraha e o seu exército.

Allama Qastallani (que a Misericórdia de Allah esteja sobre ele) afirma que quando o Sagrado Profeta estava em no ventre de Hazrat Amina, a abençoada mãe do Profeta viu um homem, de estatura alta que a apaziguou dando aos boas novas de que Hazrat Amina seria a mãe do Líder de todos os Profetas . Quando Hazrat Amina perguntou ao homem quem ele era, foi-lhe respondido de que era Adam (que a paz esteja com ele). Por Hazrat Amina transportar consigo a Melhor de Todas as Criações no seu ventre, a sua gravidez estava livre de todas as condições vulgares de uma gravidez como as náuseas e os gostos.

No momento do nascimento do Sagrado Profeta , a noite estava a desaparecer e o dia estava a nascer – numa Segunda-Feira. Allama Qastallani escreve no seu Mawahib-ul-Ladunniyya que Hazrat Amina afirma que durante o seu parto, ela viu a descer dos céus um pequeno grupo que tinham 3 bandeiras brancas. Eles colocaram uma no seu pátio, outra no chão da Sagrada Kaaba e uma no Bayt-ul-Maqdas (Mesquita de Jerusalém). Afirma ainda que durante essa linda noite, as estrelas estavam a aproximar-se dela, preenchendo o mundo de luz. As portas do céu estavam a abrir-se e  ela estava sozinha. Abdul Muttalib tinha se deslocado à Mesquita Sagrada para realizar as circunvalações do circuito normal da Kaaba. Ela diz que de repente viu um pássaro branco que massajou com as asas o seu coração, removendo a sua ansiedade e nervos. Ela olhou atentamente e viu à frente dela um puro copo branco. Ela bebeu dele pensando que era leite mas era mais doce que o mel. Então, um pequeno grupo de mulheres veio até ela. Uma disse que era Maryam, a mãe de Issa (que a paz esteja com ele), a segunda disse que era Asiya, a esposa de Faraó (responsável pelo acolhimento e educação de Hazrat Mossa – paz esteja com ele), a terceira disse que era Hajra, e as restantes três eram virgens do Paraíso (hoor). Elas disseram a Hazrat Amina, “Nós viemos todas para te servir.” É então que ela ouve a boz que a preocupou. Ela viu que um lenço branco de seda estava entre o céu e a terra. Uma voz disse: “Tápa-Lo dos olhos deste mundo.” Entretanto, mulheres estavam a descer dos céus, que traziam copos brancos nas suas mãos. Então, ela viu uma nuvem branca com pássaros verdes cujos bicos eram como rubis vermelhos. Vendo isto, o seu corpo começou a transpirar, e as suas gotas de suor tinham o cheiro de perfume. Ela viu que o oeste e o este, a terra e o céu, tinham sido tudo iluminados. A Abençoada mãe do Pofeta de Allah , conseguia ver os castelos da Síria e os pescoços dos camelos de Basra. Hazrat Amina afirma que o centro da luz estava a vir dela. Foi anunciado no universo que Muhammad havia nascido.

Após o Seu nascimento

O Sagrado Alcorão afirma:

“…na verdade através de Ti veio a luz de Allah, e um livro Claro.”

Alcorão, Capítulo Al-Maidah, 5:11

Todos os  comentadores estão de acordo neste versículo no que toca à palavra “noor” (luz) referindo-se ao Ser do Profeta (zaat). Alguns afirmam ainda que o noor é também o Alcorão. De todo o modo, esta opinião não é defendida pelos grandes Mufassireen (intérpretes) como Imam Fakhruddin Razi, que escreve na sua obra Tasfeer Kabber que dizer que o noor (luz) neste verso, se refere ao Alcorão é fraco pois kitab (livro) já se refere directamente ao Alcorão, e dizer que ambos se referem ao Alcorão é uma opinião fraca (mesmo sabendo que o Alcorão é luz). O que é mais correcto é que noor neste versículo refere-se ao Sagrado Profeta cujo nome e essência é luz.

Allah, o Majestoso, concedeu uma força e um nível de elevação especiais ao Profeta mesmo antes do Seu aniversário porque Allah queria colocá-Lo numa posição de relevo. Allah afirma no Seu Sagrado Alcorão:

“Se tivéssemos feito descer este Alcorão sobre uma montanha, tê-las-ias visto humilhar-se e fender-se, por temor a Deus, Tais exemplos propomos aos humanos, para que raciocinem.”

Alcorão, Capítulo Al-Hashr, 59:21

Mas o coração do Escolhido tem a luz de Allah, pois se  ninguém mais conseguiria suportar este peso, então o Profeta consegui-lo-ia. Isto é também uma indicação para o ponto em que o Profeta é luz e o Alcorão é também luz. O Alcorão não poderia ser relevado sob nenhuma outra forma pois esses formatos seriam esmigalhados como mencionados no versículo acima. De todo o modo, como o coração do Profeta é luz e como o Alcorão é também luz, a luz é absorvida por luz.

Milagres do Sagrado Profeta SAW

Era uma tradição dos Árabes do deserto levar uma criança para o aleitamento. Quando a ama do Sagrado Profeta , Hazrat Haleema (que Allah esteja satisfeito com ela) chegou a Meca, todas as crianças tinham sido tiradas de suas famílias. Ela então ouviu uma voz, “Não fiques triste! Hoje presenciarás a riqueza de todos os mundos!” O Sagrado Profeta era a única criança que restava e tendo pena Dele , ela O levou. Rápidamente, a ama começou a sentir as bênçãos da presença do Profeta . O seu andar enfraquecido tornara-se agora cheio de energia e não parava mesmo quando ela se encontrava cansada! As suas cabras que até então tinham úberes secos, começaram a gerar leite em abundância. Ela viu que quando o Profeta estava no Seu berço, a lua movia-se com os Seus SAW dedos de bebé. É portanto interessante notar que uma criança normal brincaria com brinquedos feitos de barro que é aquilo de que somos feitos, mas Allah, o Majestoso, criou a lua, que reflecte a luz, um brinquedo para o Profeta brincar porque Ele mesmo é luz!

Num dia, Hazrat Haleema (que Allah esteja satisfeito com ela) foi beber água de Zamzam e no seu retorno não encontrou o Profeta . Saíra no desespero para procurar o seu abençoado bébé SAW, até ficar exausta até que finalmente O encontrou e viu que Ele estava na Kaaba e que todos os ídolos tinham caído.

Quando o Profeta SAW tinha doze anos de idade, viajou para a Síria numa caravana com Abu Talib. Quando a caravana parou junto a um mosteiro, um monge deparou-se com Muhammad SAW que O  SAW chamou, dizendo: “Este é o Líder dos Mensageiros”. Abu Talib ficou em silêncio ao ouvir isto, mas outros perguntaram ao monge como sabia disso. Este disse que quando a caravana estava a descer da montanha, ele viu que as pedras estavam a curvar-se perante Ele . Ouvindo as palavras do monge Abu Talib começou a amar o Profeta SAW ainda mais, tanto que nunca fazia nada sem a consulta do Profeta . O famoso estudioso Qadi  Iyad escreve no seu conhecido livro Ash-Shifa que Hazrat Ali (que Allah esteja satisfeito com ele) narra que ele continua a lembrar-se da pedra que costumava passar pelo Profeta e a própria pedra costumava dizer em voz alta: “As-salaatu was-salaamu alayka ya Rasoolallah, As-Salaatu was-Salaamu alayka ya Habeebullah”. Ainda, sempre que o Sagrado Profeta andava, uma nuvem O acompanhava providenciando-lhe sombra. Que óbvio se torna que Allah, o Majestoso, entregaria o resto da Sua criação ao serviço Do Seu Amado !

O primeiro Milad

O Sagrado Alcorão escreve claramente que Allah, o Majestoso, agregou todas as almas no mundo espiritual e disse tal como se escreve no versículo seguinte:

“E lembrem-se que quando o vosso Senhor extraiu das entranhas dos filhos de Adão os seus descendentes e os fez testemunhar, dizendo: Não é verdade que sou o vosso Senhor? Disseram: Sim! Testemunhamo-lo! Fizemos isto com o fim de que no Dia da Ressurreição não dissésseis: Não estávamos cientes.”

Alcorão, Capítulo Al-Aa’raf, 7:172

Após este, outro juramento foi efectuado. Este segundo encontro espiritual foi específico para os Profetas e Mensageiros e é referido no Alcorão no seguinte versículo:

“Quando Deus aceitou a promessa dos profetas, disse-lhes: Eis o Livro e a sabedoria (Profeta Muhammad ) que agora vos entrego, confirmando os Livros que vocês possuem, vós deveis definitivamente acreditar nele e devem positivamente ajudá-lo. Então, Ele perguntou-lhes: Comprometer-vos-eis a fazê-lo? Todos responderam: Comprometemo-nos. Disse-lhes, então: Testemunharei, que também serei, convosco, Testemunha disso.”

Alcorão, Capítulo Al-Imran, 3:81

É interessante notar que no versículo acima Allah, o Majestoso, utilizou o noon do takeed (noon enfático) duas vezes e tornou obrigatório para os Profetas a Fé e a Ajuda ao Sagrado Profeta . Isto indica a magnificência do Sagrado Profeta . Se ponderarmos sobre a filosofia deste versículo e o analisarmos, concluímos que para a Sua própria Liderança, Allah, o Majestoso apenas pediu para que acreditassem N’Ele, mas para caso do Profeta , e em nome da Mensagem e do amor pelo Seu Amado , Allah o Majestoso deu um maior ênfase ao colocar todos os Profetas e Mensageiros como testemunhas entre eles e Ele próprio tornou-se então a Testemunha, dizendo que se alguém sair depois de aceitar este juramento, teria rejeitado as Ordens.

Este foi o primeiro encontro espiritual (Mehfil-e-Milad) comemorando o nascimento do Sagrado Profeta no qual Allah, o Majestoso, anunciou a Elevada personalidade do Sagrado Profeta . Este encontro espiritual foi estabelecido por Allah, o Majestoso. É então daí em diante, claro que o estabelecimento de encontros para a recordação do Profeta SAW é uma Sunnah (prática) de Allah, o Majestoso, D’ELE próprio. Adicionalmente, a forma como os Profetas e os Mensageiros ouviram ao Dhikr (menção/recordação) do Profeta , elucida que ouvir este Dhikr é um Sunnah dos Profetas e Mensageiros. É então claro que a partir desta análise do Alcorão que Allah, o Majestoso, exaltou o nome do Seu Amado ao instituir este encontro espiritual. E Ele, o Majestoso, fez com que os Profetas e Mensageiros ouvissem o Dhikr do Seu Amado , para que acreditassem Nele e O ajudassem. Isto mostra que a profecia do Profeta foi estabelecida e os Profetas e Mensageiros tornaram-se no Seu Ummah e o Profeta foi então enviado para a terra como o último Mensageiro, tal como um chefe é convidado a falar no fim, guardando o melhor para o fim.

Por ocasião  da festividade do Milad (nascimento) do Profeta , os muçulmanos organizam encontros espirituais semelhantes. A felicidade deve ser exprimida abertamente tal como o Alcorão afirma:

Diga: “Sobre a generosidade e misericórdia de Allah é que as pessoas devem-se alegrar. Isso é preferível a tudo quanto entesourarem”

Alcorão, Capítulo Yunus, 10:58

A grande felicidade é o nascimento do Sagrado Profeta e aqui utilizando a palavra Qul, Allah, o Majestoso está a ordenar aos Muçulmanos que o nascimento do Profeta deva ser declarado e celebrado com felicidade. Imam Qastallani (que a misericórdia de Allah esteja sobre ele) escreve que na pureza do mês do nascimento do Sagrado Profeta , os crentes têm celebrado, alimentando as pessoas, expressando a sua felicidade, e dando caridade nesta noite abençoada, têm também efectuado arranjos especiais para a organização do Milad, que faz com que a bondade de Allah, o Majestoso, prevaleça. A experiência mostra que nos anos em que o Milad é efectuado, existe paz e segurança nessa área. Allah, o Majestoso mostra a Sua bênção na pessoa que celebra a noite do nascimento como um dia Eid. A celebração do Mehfil-e-Milad, o encontro entre as pessoas para a leitura de Naat (poesia em forma de prece para o Sagrado Profeta ), o jejum no 12º de Rabi-ul-Awwal, o dia exacto no qual o Profeta nasceu, e ainda dar caridade são iniciativas que têm acontecido desde sempre.

Componentes do Milad

Os encontros do Milad têm as seguintes componentes:

  • Recitação do Sagrado Alcorão
  • Naats para o Sagrado Profeta
  • Salaam (saudação) para o Sagrado Profeta
  • Duah (súplica)

Nenhum dos actos acima é contra a shariah (Lei Islâmica). O Islão é o nome da congregação; esta é a razão pela qual o Milad é feito em juntando e formando assembleias religiosas. O Islão ensina as pessoas a se reunirem e a celebrarem a paz em conjunto. Então, a adoração no Islão é também expressa através do colectivismo. Quando os muçulmanos se reunem, recita-se o Alcorão e adora-se em conjunto, pois existem enormes benefícios espirituais e sociais. O maior benefício é a obtenção de uma maior orientação espiritual através destes encontros. O outro grande benefício é que através da exposição ao conhecimento religioso,  é partilhado o conhecimento sobre a época vivida pelo Profeta tornando-se um veículo de informação para ensinar e educar as crianças sobre estes acontecimentos históricos no sentido de que as geração vindouras possa colher os benefícios dessa aprendizagem. Mehfil ou Milad, aumenta o amor nas famílias e a casa ou espaço nos quais o encontro se realiza, pelas bênçãos do Dhikr de Allah e do Profeta , Quran e Naat, remove-se o mal e os seus efeitos. A tradição de recitar Naat, segue as pegadas dos grandes Companheiros do Sagrado Profeta, Hazrat Hassan ibn Thabit (que Allah esteja satisfeito com ele). Ele costumava recitar Naat e o Sagrado Profeta SAW costumava oferecer-lhe Duah. Aderentes a outras fés tomam o Islam sendo tocados pela beleza destes poemas. Ainda, ao estarmos no Milad, a conexão é desenvolvida em língua Árabe, pois é a língua de todas as fontes principais do conhecimento Islâmico. A presença regular neste tipo de encontros permite que se ensine a pessoas de outras fés. Assim, o Milad é uma grande instituição social e espiritual que fortalece os Muçulmanos de todo o mundo e estabelece as relações entre pessoas.

A condição Muçulmana actual

Há quem analise a condição contemporânea dos Muçulmanos e conclua que hoje estamos perante grandes obstáculos. Contudo, se se pensar na História e ao analisar a vida de todos os Profetas desde Adam a Issa (que a paz esteja sobre todos eles), dois princípios surgem:

1.       As comunidades que defenderam e apoiaram os seus Profetas com os seus corações e Lhes amaram com sinceridade, ultrapassaram tudo e todos os desafios com a base no seu Iman (fé);

2.       Contudo, aqueles que tinham um Iman enfraquecido e que abandonavam o seu Profeta, fazendo o seu amor objecto de wasawis (influências malignas), então era-lhes enviado castigo.

Isto aconteceu no passado com todas as comunidades. No período contemporâneo, nós podemos dizer que os muçulmanos não estão a enfrentar desafios mas estão a receber castigos e humilhações de Allah, o Majestoso, porque infelizmente amamos tudo menos o nosso verdadeiro líder, o Sagrado Profeta Muhammad . Na vida social e política, vê-se que os Muçulmanos e os Teólogos prestam um incondicional respeito aos reis, presidentes, primeiros-ministros, entre outras altas entidades. Prontificamo-nos a respeitar o poder sócio-político baseado nessas personalidades. Respeitamos os juízes dos tribunais. Agimos de acordo com as convenções dos estados e constituições. Se o juiz vem ao tribunal, não nos podemos sentar, levantamo-nos por respeito. Ou na cerimónia em que ostentamos a bandeira, levantamo-nos, colocamos as nossas mãos no nossos corações. Na passagem de marchas, os soldados saúdam os seus chefes. Até mesmo os estudantes levantam-se quando uma professora chega à sala de aula. Esta é uma aproximação convencional das pessoas a respeitaram as pessoas com base no poder que elas possuem. Por outro lado, existem milhares de irrelevantes e ilógicas questões sobre as crenças principais, especialmente sobre o amor do Sagrado Profeta Muhammad SAW, declarando tudo como shirk (politeísmo) e bid’ah (inovação) criando uma fobia do amor pelo SAGRADO Profeta Muhammad . As pessoas querem amar o Sagrado Profeta SAW mas foram ensinadas erroneamente; foram-lhes dadas indicações erradas e falsas interpretações à luz dos temas sobre o bid’ah e o shirk que criou uma cultura de frustração no Ummah muçulmano. Isto está a resultar seriamente em medo das forças mundanas e a subordinação a uma classe que antes esteve abaixo da lei Muçulmana na história. Isto resulta então em caos, desorganização e deformação no Ummah Muçulmano. Na escola, os Muçulmanos são fracos. Na organização social, os muçulmanos procuram ajuda a estratos da sociedade que antes estiveram abaixo da Lei Islâmica. Na maioria dos assuntos, os Muçulmanos são subordinados. Qual é a grande razão para esta queda? A resposta é simples: Obviamente, é a consequência de não nutrir um amor verdadeiro pelo Sagrado Profeta SAW. De acordo com este Hadeeth:

“Nenhum de vós terá fé até que Eu seja mais amado que o vosso pai, os vossos filhos e toda a humanidade.”

[Sahih Bukhari, Volume 1, Livro 2 #14]

..então o castigo de Allah, o Majestoso será declarado para o Ummah Muçulmano.

O que devem os muçulmanos fazer?

Esta questão levanta-se: O que devem os muçulmanos fazer hoje? Qual a mensagem que os muçulmanos devem aprender através do Milad? A maior mensagem é claramente o amor ao Sagrado Profeta . Ainda há tempo para rectificar as nossas acções erradas e submetermo-nos a Allah, o Majestoso e aos pés do Seu Rasool , entendendo que o Ummah Muçulmano cometeu um grave erro no que toca à percepção do amor com o Sagrado Profeta . Nós devemos seguir a tradição dos As’hab (Companheiros), Tabi’een (seguidores da As’hab), Tabi’ Tabi’ee (seguidores dos Tabi’een), e os grandes teólogos dos primeiras gerações como Imam Malik, Imam Shaf’i, Imam Ahmed Bin Hanbal e Imam Abu Hanifa, e os líderes espirituais  das ordens Qadriya, Chishtiya, Naqshbandiya, Soharwardiya (que Allah tenha misericórdia sobre todas elas). Como é que estas grandes personalidades seguem o Islão? Estas Entidades recolhiam-se em suas casas e faziam o Dhikr de Allah e do Seu Profeta SAW e distribuiam comida ou pequenos doces nesta ocasião de milad.

O amor para com o Sagrado Profeta não é nem shirk nem bid’ah. Quando Hazrat Khalid Bin Waleed (que Allah esteja satisfeito com ele) participava nas batalhas, ele costumava guardar o abençoado cabelo do Sagrado Profeta SAW no seu chapéu. Quando Hazrat Bilal (que Allah esteja satisfeito com ele) efectuava o Adhan (a chamada para a oração) ele costumava fazê-lo olhando para o Profeta SAW e ele parou de fazer o Adhan após o falecimento do Sagrado Profeta SAW, pois não conseguia sustentar a Sua SAW separação. Hazrat Abubakr (que Allah esteja satisfeito com ele), certa vez doara tudo o que possuía para caridade, e quando perguntado pelo que tinha deixado em casa, ele disse: “Allah, o Majestoso e o amor do Seu Rasool”. Similarmente, quando o Profeta SAW perdeu os seus abençoados dentes em batalha, Hazrat Owais Qarni (que Allah esteja satisfeito com ele) partiu também os seus dentes, esperando ser únicamente uma pessoa que esteve com o Sagrado Profeta SAW na Sua dor. Após o falecimento do Sagrado Profeta SAW deste mundo, Hazrat Umar (que Allah esteja satisfeito com ele) disse que mataria a pessoa que dissesse que Ele SAW morreu – esta era a única expressão do seu amor. Imam Malik (que Allah esteja satisfeito com ele) foi para Hajj uma única vez e ficou a viver na cidade de Medina com medo que pudesse morrer fora da cidade do seu amado Profeta SAW. Imam Bukhari (que Allah esteja satisfeito com ele) sentava-se diante do Rozê-e-Mubarak (Abençoado Sítio de Repouso) do Sagrado Profeta quando compilava os Ahadeeth – este era o seu amor. Existem milhares de exemplos como estes presentes em vários livros de referência, que mostra o amor dos grandes santos expresso para com o Sagrado Profeta . Amá-Lo é incondicional e não engloba medo. O que acontece hoje é que tornámos o amor por Ele condicional. Isto criou uma fobia de shirk e bid’ah psicológico. Este auto-gerado ponto de vista causou inúmeros problemas contra o Ummah Muçulmano. O espírito do Iman deixou o coração e a mente dos muçulmanos  e foi alterado pelo medo do mundo.

Se for efectuada uma análise sobre a diferença entre a vida e a morte e dissermos que, por exemplo, uma pessoa está viva porque está a um certo nível de temperatura e se a temperatura ficar abaixo desse nível, clinicamente a pessoa morre. A alma ainda não foi vista. Está oculta no corpo. Mas se a alma desaparecer, então a mesma pessoa que tem o potencial de atingir o céu como limite, não pode sequer remover uma mosca dele e obviamente que morre. Aí, o corpo entra em decomposição e as pessoas que vêem o corpo, ficam impressionadas com o estado de alguém que perdeu a vida. É assim, pois o processo natural do ser humano.

Mas perguntamo-nos, o que é que saiu do seu corpo? De acordo com o Sagrado Alcorão:

“Eles perguntam-te sobre a alma; proclama ‘A alma é uma entidade sob o comando do meu Senhor…”

Alcorão, Capítulo Bani Israel 17:85

Os Muçulmanos são também como um corpo, que costumava estar vivo pois tinha o espírito do amor do Sagrado Profeta . Contudo, com o moderno fenómeno de desconeção com o Amor do Profeta SAW, os muçulmanos tornaram-se vítimas de humilhação. Está na altura, mais uma vez, de revitalizarmos o Ummah Muçulmano trazendo a sua alma novamente para dentro do seu corpo, que não é nada mais, nada menos, do que o amor pelo Sagrado Profeta . Tal como Allah, o Majestoso, promete que faz com que a vida  saia do corpo do morto e que a morte saia da vida:

“…Tu transformas a vida em porte, e Tu trazes a morte da vida…”

Alcorão, Capítulo Aal-Imran 3:27

É imperativo que tomemos vantagens neste abençoado mês de Rabi’ul Awwal para que façamos Istighfar colectivo (procurar perdão) arrependendo-nos de quaisquer erros que tenhamos cometidos na grandeza, dignidade e honra da Melhor Criação . Depois de Allah, o Majestoso, Ele é o Rahman para a humanidade (misericórdia) e ninguém pode medir ou limitar a misericórdia, tal como não pode medir ou limitar o amor de um pai ou criança. Como é que podemos nós então limitar o amor com Aquele cujo amor atinge a excelência do Iman?

Vamos rezar para que Allah, o Majestoso, pelo waseela do Seu Amado , nos garanta o verdadeiro amor do Seu Amado nos nossos corações para que sejamos contribuintes positivos para a humanidade. (Aamin)